Brasil aplica medidas contra aço importado da Alemanha

Brasil aplica medidas contra aço importado da Alemanha

A Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia decidiu aplicar o direito antidumping definitivo, por um prazo de até cinco anos, às importações do Brasil de laminados planos de aço ao silício, denominados magnéticos, de grãos não orientados (aço GNO), originárias da Alemanha.

O direito antidumping definitivo aplicado às importações brasileiras de aço GNO da Alemanha passará a ser recolhido sob a forma de alíquota específica fixada em dólares por tonelada. Serão cobrados US$ 166,32 por tonelada do produto.

O dumping ocorre quando um país exporta produtos a um preço menor do que são vendidos em seu mercado interno. A medida, assim, acaba afetando os produtores do país importador.

O direito antidumping definitivo utilizado pelo Brasil contra a Alemanha, aumenta taxas sobre produtos de certos países – e até de empresas específicas – para compensar o desequilíbrio causado pelo dumping. Até então, o Brasil apenas investigava se o mecanismo era, de fato, utilizado pelos alemães, informa a revista Veja.

RENOVA Mídia

Universidade nos EUA oferece bolsas de até 100% para brasileiros

Universidade nos EUA oferece bolsas de até 100% para brasileiros
Tarciso Morais

Tarciso Morais

Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Podem aplicar para a bolsa de estudos, graduados e graduandos maiores de 18 anos, com inglês avançado e que estejam dentro do público alvo de cada curso.

Laiob Experience, parte do grupo Latin America Institute of Business (Laiob), oferece um programa de bolsas de estudos para brasileiros na Universidade de Akron, em Ohio, nos Estados Unidos.

Os candidatos podem se inscrever para fazer os cursos de Gestão, Marketing, Gestão de Vendas e Negociação e Inovação de Projetos de Gestão.

Para cada um dos quatro cursos são oferecidas uma bolsa de 100%, duas bolsas de 70% e também bolsas limitadas de 50% 30%, segundo matéria do site InfoMoney.

A oportunidade é valida para as turmas de fevereiro de 2020. O programa tem duração de duas semanas e carga horária de 64 horas (32 horas de Business English & Business Communication mais 32 horas do respectivo curso escolhido).

Para concorrer as bolsas os candidatos devem se inscrever no site do Laiob e preencher e enviar o Application Form online. As inscrições estão abertas a partir desta segunda-feira (15) até 25 de agosto às 23h59.

Podem aplicar para a bolsa de estudos, graduados e graduandos maiores de 18 anos, com inglês avançado e que estejam dentro do público alvo de cada curso.

Tarcísio de Freitas destaca mudanças no setor ferroviário do Brasil

Tarcísio de Freitas destaca mudanças no setor ferroviário do Brasil

“Em seis anos, o modal ferroviário vai passar por uma mudança bastante significativa”, disse o ministro Tarcísio Freitas.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que a participação das ferrovias na matriz de transportes do Brasil deve aumentar dos atuais 15% para 30% até 2025.

De acordo com Freitas, esta melhoria será resultado de uma série de investimentos e concessões no setor, entre as quais o leilão do trecho entre Porto Nacional (TO) e Estrela D’Oeste (SP) da Norte-Sul, vencido pela Rumo, com uma oferta de R$ 2,719 bilhões.

Considerado “histórico” pelo ministro, o leilão foi realizado no primeiro semestre deste ano.

Segundo o site UOL, Tarcísio Freitas citou ainda projetos propostos para o futuro, como a Ferrogrão e a Fiol (Ilhéus a Caetité), ambas em estudo; a Fico (Água Boa a Mara Rosa); e a ferrovia Rio – Vitória, as duas em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU); e as prorrogações da malha paulista e da estrada de ferro Carajás, estrada de ferro Vitória Minas, a MRS e a ferrovia Centro-Atlântica.

“Vamos aumentar participação dos 15% para 30% até 2025. Em seis anos, o modal ferroviário vai passar por uma mudança bastante significativa”, disse ele.

Segundo Tarcísio, o País tem hoje o maior programa de concessões do mundo, que está atraindo o interesse de investidores estrangeiros.

Tarciso MoraisTarciso Morais     Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Governo Federal vai implantar 108 novas escolas militares até 2023 (Veja o Vídeo)

12/07/2019 às 11:50

O secretário de Educação Básica do MEC, Jânio Carlos Endo Macedo, disse que as novas escolas cívico-militares devem ser instaladas em lugares carentes:

“Se não se colocar em locais que sejam carentes, aumenta ainda mais a diferença de conhecimento dessa população”.

Os colégios militares a muito tempo atingem excelentes avaliações no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio).

O vídeo abaixo ilustra um pouco da diferença de uma escola militar para uma escola pública tradicional.

Outra reportagem mostra a melhora que ocorreu em uma escola pública do Distrito Federal após implantar a militarização:

da Redação

Bolsonaro celebra teste de protótipo de míssil da Marinha do Brasil

Bolsonaro celebra teste de protótipo de míssil da Marinha do Brasil
Tarciso Morais

Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

“É o Brasil da autossuficiência tecnológica”, celebrou Bolsonaro ao destacar que o protótipo testado está sendo produzido no País.

Marinha do Brasil realizou, na última quarta-feira (10), o lançamento do terceiro protótipo do Míssil Antinavio de Superfície (MANSUP).

Realizado pela fragata Independência, o teste comprovou que todos os subsistemas apresentaram bom desempenho e se comportaram de forma harmônica, informa o site Defesa TV.

O lançamento aconteceu na área marítima do Rio de Janeiro. Os resultados confirmaram a evolução do projeto e o acerto dos aperfeiçoamentos realizados após os primeiros testes.

Em mensagem publicada na rede social Twitter, nesta sexta-feira (12), o presidente da República, Jair Bolsonaro, celebrou “mais um êxito das nossas Forças Armadas, na permanente defesa da soberania nacional”.

Ao parabenizar o trabalho da Marinha, Bolsonaro destacou que o protótipo “está sendo desenvolvido integralmente no País”. “É o Brasil da autossuficiência tecnológica”, completou.

Confira o vídeo do lançamento do MANSUP pela fragata da Marinha do Brasil:

RAMAL DO AGRESTE TEM 70 KILOMETROS BENEFICIARÁ 68 MUNICÍPIOS

Pesquisa: sete em cada dez brasileiros apoiam reforma da Previdência

Pesquisa: sete em cada dez brasileiros apoiam reforma da Previdência

A pesquisa da CNDL ouviu 800 pessoas com idades a partir de 18 anos nos 26 Estados e DF

A pesquisa ouviu 800 pessoas com idades a partir de 18 anos nos 26 Estados e DF. A abertura da pesquisa mostra que 40% dos consultados consideram correta a equiparação entre trabalhadores dos setores público e privado. Do total de entrevistados, 44% acreditam que a reforma previdenciária será totalmente aprovada ainda este ano.

Tema de discussão na Câmara dos Deputados e nas ruas, a Previdência somou um rombo total de R$ 290,3 bilhões apenas em 2018, segundo dados oficiais. Os brasileiros não estão indiferentes ao problema. Tanto que 78% estão acompanhando, em alguma medida, as discussões a respeito das novas regras para aposentadoria, sendo que 31% estão totalmente por dentro do assunto e 47% acompanham apenas em parte.

“Ainda que haja controvérsias a respeito dos possíveis efeitos da reforma da Previdência em diferentes estratos da sociedade, é fato que o regime de aposentadoria custeado pela União e pelos Estados caminha para a completa falência nos próximos anos, se nada for feito. Ao criar espaço para diminuir os gastos com a Previdência, espera-se que seja interrompida a trajetória explosiva da dívida pública atual e que, com mais segurança e equilíbrio no cenário macroeconômico, os investidores recuperem a confiança necessária para retomar os investimentos”, defende presidente da CNDL, José César da Costa.

De acordo com a pesquisa, 44% acreditam que a reforma previdenciária será totalmente aprovada ainda este ano. Embora a reforma da Previdência seja vista como necessária pela maioria dos entrevistados, seu conteúdo gera controvérsias: mais de um quarto (26%) concorda com a maneira em que as mudanças foram propostas no Congresso – em grande parte, homens e oriundos das classes A e B.

Por outro lado, as mulheres são maioria entre os 46% que acreditam na necessidade de uma reforma, mas não concordam com a forma como tem sido apresentada. Apenas 18% não veem necessidade de reforma, enquanto outros 10% não souberam opinar. Dentre os entrevistados, 44% acreditam que a reforma da Previdência será totalmente aprovada ainda este ano, enquanto 28% acham que o texto não será aprovado tão cedo e 27% não souberam dizer.

O principal motivo apontado pelos apoiadores das mudanças no regime de aposentadoria é eliminar as disparidades entre funcionários públicos e privados (50%), tornando o sistema mais justo e igualitário. Quatro em cada dez (39%) acreditam que o envelhecimento da população brasileira coloca em risco a garantia do benefício para gerações futuras, 33% apostam na possibilidade de reequilibrar as contas públicas e aumentar a confiança dos investidores no País e 25% acreditam que a reforma ajudará o governo a arrecadar mais dinheiro para investir em áreas de melhorias para a população, como saúde e educação. Outros 25% acham que as mudanças evitarão o pagamento de novos impostos criados para manter a Previdência.

Desigualdade

O fim da desigualdade é a tônica entre os brasileiros que defendem a necessidade da reforma, ainda que haja alterações na proposta: quase metade (49%) defende o aumento da contribuição ao INSS para pessoas que recebem salários maiores. Trata-se do item na proposta atual em tramitação no Congresso que os entrevistados consideram mais importante.

Já 40% consideram correta a equiparação entre trabalhadores dos setores público e privado, 32% defendem o fim do acúmulo de benefícios e 28% concordam com a idade mínima proposta pelo governo, de 65 para homens e 62 para mulheres. No entanto, em média, os entrevistados consideram que o brasileiro deveria se aposentar aos 59 anos.

Embora a maioria dos brasileiros entrevistados já reconheça a necessidade de uma reforma na Previdência, 81% identificam algum aspecto negativo na proposta do governo. Um dos pontos que mais geram rejeição é o aumento no tempo de trabalho (40%), especialmente entre as mulheres (46%). Outros aspectos apontados foram a mudança de regras para quem já estava para se aposentar nos próximos anos (30%), as chances de o dinheiro arrecadado ser alvo de corrupção (30%) e a possibilidade de desvinculação dos benefícios com o salário mínimo, o que aumentaria o número de idosos ganhando menos (27%).

Independentemente do resultado final, as discussões sobre as mudanças na Previdência fizeram com que 52% dos brasileiros mudassem a forma de agir e pensar sobre o assunto. Três em cada dez entrevistados reforçaram a importância dada ao planejamento da aposentadoria (29%), 21% passaram a guardar dinheiro com o objetivo de se aposentar e 13% estão pensando em antecipar a aposentadoria para não ser prejudicado pelas novas regras. Por outro lado, 31% continuam pensando igual, principalmente por ainda não terem refletido a respeito (13%) e por não acharem que a reforma vai, de fato, acontecer (8%).

AO MINUTO

‘Gostaríamos de ter feito outra reforma’, diz Dilma sobre a Previdência

'Gostaríamos de ter feito outra reforma', diz Dilma sobre a Previdência

A ex-presidente disse que o impeachment impediu reforma da Previdência anterior

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) –

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou que gostaria de ter feito uma reforma da Previdência em seu governo e que iniciou um planejamento nesse sentido na ocasião, mas que o processo de impeachment a impediu de conclui-lo.

“Gostaríamos de ter feito uma reforma bem diferente dessa até porque achávamos que tínhamos que manter vários direitos adquiridos, mas também que era necessário, na medida em que nós mesmos fomos responsáveis pelo aumento da expectativa de vida no país”, disse.

Trump cogita nomear filho Eric embaixador dos EUA no Brasil

Trump cogita nomear filho Eric embaixador dos EUA no Brasil

Em um movimento inusitado na história recente da diplomacia mundial, os filhos dos presidentes do Brasil e EUA podem assumir o posto de embaixadores.

O presidente norte-americano, Donald Trump, poderá designar um dos seus cinco filhos para assumir a embaixada dos Estados Unidos no Brasil.

Segundo fontes do governo brasileiro ouvidas pelo jornal O GloboEric Trump viria para Brasília se o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) for nomeado embaixador em Washington.

A possibilidade foi cogitada por seu pai e presidente da República, Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira (11).

Em entrevista coletiva após a notícia viralizar na imprensa, o parlamentar Eduardo, que é presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, disse que aceitaria um convite de seu pai para ocupar o cargo.

“Se for da vontade do presidente e ele realmente me entregar essa função de maneira oficial, eu aceitaria”, afirmou Eduardo.

Por coincidência, Eric tem a mesma idade de Eduardo, 35 anos. A troca de indicações seria um movimento inusitado na história recente da diplomacia mundial.

Ainda segundo fontes ouvidas pela reportagem, o envio dos filhos dos dois presidentes para assumir as respectivas embaixadas consolidaria as relações bilaterais.